Transdutores Automotivo o que você deve saber para aplicá-lo

Os transdutores automotivos são uma ferramenta de trabalho bem como todas as outras ferramentas automotivas de diagnostico. Cada ferramenta automotiva se usa para algum fim de analise, onde o reparador usa de acordo com sua estratégia de diagnostico. Os transdutores estão em tendencia entre os mecânicos, eletricistas e retificas e vem cada vez mais se popularizando, por se tratar de uma ferramenta nova no mercado, desperta muita curiosidade neste método de diagnóstico por imagem.

Porem para trabalhar com esta ferramenta não é tão simples como se possa imaginar, exige alguns conhecimentos do técnico, caso contrário irá ter algumas dificuldades.

Mas não é pela dificuldade que o técnico irá desistir, o mesmo irá buscar conhecimento para utilizar a ferramenta, e quem tem a ganhar em buscar conhecimento é o técnico e o cliente. Para trabalhar com estas ferramentas, o técnico deve ter alguns conhecimentos de algumas grandezas da física.

Eletricidade:

Para entender os fundamentos da eletricidade, precisamos começar nos concentrando nos átomos, um dos blocos básicos de construção da vida e da matéria. Os átomos existem em mais de cem formas diferentes como elementos químicos como hidrogênio, carbono, oxigênio e cobre. Átomos de muitos tipos podem se combinar para formar moléculas, que constroem a matéria que podemos ver e tocar fisicamente. Um átomo é construído com uma combinação de três partículas distintas: elétrons, prótons e nêutrons. Cada átomo tem um núcleo central, onde os prótons e nêutrons estão densamente compactados. Ao redor do núcleo está um grupo de elétrons em órbita. (Fig.1)




Lei de Ohm | Voltagem | Resistência | Corrente

Um circuito elétrico é formado quando um caminho condutor é criado para permitir que a carga elétrica se mova continuamente. Este movimento contínuo de carga elétrica através dos condutores de um circuito é chamado de corrente e é frequentemente referido em termos de “fluxo”, assim como o fluxo de um líquido através de um tubo oco.

A força que motiva os portadores de carga a “fluir” em um circuito é chamada de tensão. A tensão é uma medida específica de energia potencial que é sempre relativa entre dois pontos.

Quando falamos de uma certa quantidade de voltagem presente em um circuito, estamos nos referindo à medição de quanta energia potencial existe para mover portadores de carga de um ponto particular nesse circuito para outro ponto particular. Sem referência a dois pontos específicos, o termo “tensão” não tem significado.

A corrente tende a se mover através dos condutores com algum grau de atrito ou oposição ao movimento. Essa oposição ao movimento é mais apropriadamente chamada de resistência. A quantidade de corrente em um circuito depende da quantidade de voltagem e da quantidade de resistência no circuito para se opor ao fluxo de corrente.

Assim como a tensão, a resistência é uma quantidade relativa entre dois pontos. Por esse motivo, as quantidades de tensão e resistência são frequentemente declaradas como estando “entre” ou “entre” dois pontos em um circuito. (Fig.2)





Pressão:

Pressão significa força que é exercida sobre algum uma área. Pode também indicar o ato de comprimir ou pressionar. Também corresponde a uma grandeza do contexto da Física. Na Física, a pressão é uma grandeza que quantificada através da razão entre a força (F) e a área (A) da superfície em questão, onde a força é aplicada. É possível determinar a pressão através de alguns instrumentos, entre eles o manômetro, o barômetro, o piezômetro e o vacuômetro. Segundo o Sistema Internacional, a pressão é medida na unidade N/m² (Newton por metro quadrado), unidade igualmente conhecida como pascal. Existem outras unidades como bar, PSI,mmHg, milibar, atm. (Fig.3)





Pressão atmosférica

É a pressão que o ar da atmosfera exerce sobre a superfície do planeta. Essa pressão pode mudar de acordo com a variação de altitude, ou seja, quanto maior a altitude menor a pressão e, consequentemente, quanto menor a altitude maior a pressão exercida pelo ar na superfície terrestre. Cada cidade é localizada em uma diferente altitude, alterando assim o valor da pressão atmosférica em diferentes localidades. (Fig.4)





Pressão absoluta

É a pressão total exercida sobre um corpo na superfície da Terra. Para calcularmos a pressão absoluta sobre um corpo, devemos levar em conta a atuação de duas pressões distintas: a pressão atmosférica e a pressão relativa. Em resumo a pressão absoluta é soma da pressão relativa mais a pressão atmosférica.

Pressão relativa

É a diferença de pressão entre a pressão atmosférica do local e a pressão do fluído. É também conhecida como pressão manométrica. Em resumo a pressão relativa é como se definíssemos a pressão atm como valor de zero de referência e toda a pressão acima da atm é a pressão relativa.

Exemplo: Suponhamos que a pressão atm de alguma cidade é de 940 mBar a 700 metros acima do nível do mar, e quando se está medindo a pressão da bomba de combustível com o manômetro encontra o valor de 3.5 bar na linha de combustível. Este mesmo teste a nível do mar a pressão da bomba também será de 3.5 bar. Mas porque a pressão é a mesma, sendo que ela muda de acordo com a altitude? A medição está sendo realizada com um manômetro e o mesmo medi a pressão relativa tendo a pressão atm como zero.

Vácuo

É o valor da pressão atm menos a pressão absoluta, o vácuo é uma sucção uma depressão, seu valor é inferior a pressão atmosférica, sua unidade de medida mais utilizada é mmHG e cmHG. Muitos confundem o vácuo do motor com a pressão do MAP, logo a pressão do MAP é a pressão atm menos o vácuo. (Fig.5)





Pressão Estática

Pressão exercida por um fluído em repouso, é a pressão que ocorre dentro do cilindro quando o pistão parte de PMI para PMS, o ar comprimido em seu curso total é a pressão de compressão do motor. Para analisar essa pressão em motores de ciclo OTTO se utiliza um manômetro com tubo de bourdon, onde a aplicação é no orifício da vela. Este método de análise mensura a pressão total do cilindro e é muito aplicado pelos técnicos automotivo, sua pressão varia entre 12 a 16 bar aproximadamente em um cilindro em bom estado de vedação. (Fig.6)





Pressão de combustão

É a pressão que ocorre dentro do cilindro com efeito da queima do combustível, durante o funcionamento do motor, a fonte da rede obtida são as pressões do cilindro. A pressão torna-se a força do gás no pistão e causa a rotação do virabrequim. Determinar a pressão do cilindro é bastante difícil. Exceto para estudos experimentais, podem ser detectados os valores aproximados usando o ciclo Otto ideal e simulações de motor. A pressão do cilindro em combustão varia entre 30 a 50 Bar, e a temperatura dentro do cilindro atinge em torno de 2000 °C a 2400 ° C . (Fig.7)





Pressão Cinemática

Pressão exercida por um fluído em movimento sobre uma superfície. Em geral é associada à quantidade de movimento de um fluído em fluxo, também chamada pressão dinâmica. A pressão dinâmica é a pressão de um fluído ocasionada pela velocidade do escoamento. O transdutor de pressão trabalha na pressão dinâmica, na pressão de escoamento dos gases sem efeito de combustão. Na pressão estática com um manômetro de bourdon a pressão atinge de 12 a 16 Bar e com o transdutor na pressão dinâmica o valor varia de 4 a 6 Bar. (Fig.8)






30 visualizações0 comentário